• Fale conosco agora mesmo!
  • Matriz: Florianópolis, Rua Saldanha Marinho, 374, Ed. Zigurate
  • Fale conosco (48) 3037-9450

INTRANET SOCIAL: Comece da forma certa!

intersectorindexImpulsionado pelo enorme sucesso das grandes redes de relacionamento como Facebook, Twitter, YouTube, entre outras, muitas empresas têm se preocupado em disponibilizar espaços para que seus colaboradores possam se expressar e comunicar de uma forma menos formal.

A ideia não é nova e, assim como as redes sociais, o conceito veio para ficar. Mas será que a rede social empresarial pode ser utilizada em qualquer tipo de organização?

Antes de “empurrar” este conceito para dentro de sua empresa, é importante que este questionamento seja feito. Segundo o Grupo Gartner (neste post), das empresas que implantam formas de colaboração social sem um proposito (também conhecido como “implantar e rezar”), apenas 10% são bem sucedidas.

“Sem um propósito bem definido e atraente, a maioria das iniciativas de mídia social vai deixar de agregar valor ao negócio”, disse Anthony Bradley, vice-presidente do Grupo Gartner.

O sucesso da rede social empresarial está diretamente ligado à definição de estratégias e forte engajamento de pessoas de diferentes perfis. Se você pensa em iniciar uma intranet social apenas como objetivo de “colaboração”, provavelmente irá fracassar.

 

ENCONTRE OS PERFIS

Entenda que nem todas as pessoas na sua empresa estão dispostas a contribuir. As pessoas têm diferentes papéis em uma intranet social e você precisa encontrar formas de incentivá-las. Eles se dividem nos perfis citados a seguir:

LEITORES

Leem conteúdos, visualizam conversas, acessam e-mails e links, atuam de forma reativa na intranet e acessam dúvidas criadas por outras pessoas para resolver seus problemas, contudo, não se sentem confiantes ou de certa maneira não querem colaborar, pois conseguem respostas simplesmente perguntando para seu colega de trabalho mais próximo.

QUESTIONADORES

Utilizam a intranet sempre que têm alguma necessidade, formulam perguntas, porém muitas vezes não se sentem confiantes em dar uma resposta a uma pergunta.

ESPECIALISTAS

Respondem aos questionamentos somente quando está dentro da sua área de atuação. Contudo, não participam de discussões quando têm que dar a sua opinião, principalmente quando o assunto não for relacionado à sua especialidade.

EVANGELISTAS

Este grupo está sempre disposto a ajudar os outros, compartilhando informações e pensamentos. Normalmente, dizem “quero muito te ajudar, como posso fazer isto?” ou “fiz isto, podes dar uma olhada?”.

 

IDENTIFIQUE OS PROPÓSITOS

Para ajudá-los, o Grupo Gartner identificou cinco características de um bom propósito:

CHAME ATENÇÃO DOS PARTICIPANTES

O propósito deve, naturalmente, motivar as pessoas a participar. Os usuários devem facilmente compreender a sua importância e o valor da sua participação no processo. O objetivo deve ter algum significado para os participantes, e despertar dentro destes a vontade de participar. Se você tem que criar o interesse entre os usuários, especialmente por meio de incentivos caros, você escolheu o propósito errado.

ARQUITETAR UMA COMUNIDADE

O objetivo deve ter relação com as pessoas o suficiente para formar uma comunidade a fim de entregar conteúdo criado por usuários para usuários. As melhores comunidades entregam mais conteúdo para seus colaboradores do que conteúdo para a empresa.

VALOR ORGANIZACIONAL

O objetivo deve gerar resultados claros. Escolha objetivos onde o valor organizacional pode ser claramente medido e compartilhado com a comunidade como um feedback motivacional para as pessoas continuarem participando.

RECOMPENSAS DE BAIXO RISCO

Prefira baixo risco do que alta recompensa. O objetivo deve ser de baixo risco, especialmente em organizações onde as comunidades sociais estão iniciando. Isto, pois esta característica deriva de quatro tipos de risco:

  • CULTURAL – é o risco onde a cultura da organização não é propicia a colaboração massiva de informações;
  • ADOÇÃO – é o risco de que as pessoas não estarão dispostas a colaborar sobre determinado assunto ou em determinada comunidade;
  • INFORMAÇÃO – é o risco de que as informações compartilhadas por determinadas pessoas podem afetar as outras;
  • RESULTADO – é o risco de que, mesmo que seja formada uma comunidade, ela pode não trazer resultados.

PROMOVER A EVOLUÇÃO

Escolher objetivos que você e a comunidade possam construir e evoluir. Determinar as dependências entre os objetivos. Alguns objetivos têm uma tendência mais natural para influenciar outros e para facilitar a “emergências”, enquanto que outros objetivos são mais subordinados.

Em outras palavras: construir uma intranet social de sucesso não é uma tarefa fácil, já que envolve muito planejamento e maturidade organizacional. Tenha definições claras dos objetivos que a intranet social terá dentro da sua empresa e busque identificar os perfis que poderão auxiliar no seu processo de implantação, pois assim, as chances de “dores de cabeça” serão menores.


Deixe uma resposta